Paginas


Objetiva o autoconhecimento como forma de lidar de modo criativo com nossos problemas.

São eventos capazes de ajudar-nos a encontrar caminhos para nossas vidas.

Médica em Carazinho- RS desde 1984, hoje exerce ginecologia e psicoterapia junguiana.


quinta-feira, 30 de maio de 2019

A Natureza em perfeição

DIA PERFEITO Chuvoso, nublado em brumas. Brumas que nos permitem ver para além da realidade idealizada para nossas vidas. A Natureza nos coloca empecilhos, e temos, capas, botas, guarda- chuvas, trânsito, pessoas de mau humor. Pitadas de preguiça. Utensílios perfeitos para que a gente se conheça um pouquinho a partir do não gosto. Bom Dia, consigo mesmo.

quarta-feira, 22 de maio de 2019

Sonhar é caminho

Você pode sonhar acordado. Estará passando imagens e formas pensamentos para seu futuro. Tenderá a acontecer, não sem um movimento seu. ( arregaçar as mangas, e ir) Mas, se você sonhar durante o sono, bem aí já é uma fala de seu inconsciente a de guiar, por caminhos e muitas vezes atalhos, compensações, complementares ao olhar acordado e que o levará ao encontro com sua missão de vida. Qual a vida que queres para ti? Qual a vida que vieste para viver? Qual a vida que alargará teu peito com a sensação de SIM, isto mesmo? Sonhe e imagine quando acordado ou mesmo sonolento. E, acolha seus sonhos noturnos.

Música e Chuva

O tempo está passando quase sumindo, ou ainda, podemos sentir sua infinitude, acolhidos por nossa finitude? São inúmeras as vezes que ouço: tudo muito rápido. O tempo voa. Parece que os dias estão mais curtos. Então decidi sentir um pouco disto. Estamos cientes de sua relatividade sempre que a uma angústia ou a um momento feliz, não parece levar o mesmo tempo. Vou misturar alguns tempos. Há 2 dias, chovia, escolhi um período para ficar de pijamas, olhando para a chuva, que estava ritmada forte gostosa e acolhedora. Para mim os dias chuvosos são para escrever, refletir, acolher palavras e inspirações. A dois, fui questionada? O que queres ouvir? Abri-me e escolhi aquela. E nosso espaço musical recebeu Mahler. Esta Sinfonia teve seu tempo e história, foi sua última composição apresentada em vida. Mahler a compôs na Áustria, no verão de 1906, e sua primeira apresentação ocorreu em Munich em 1910. Mas o tempo seguiu seu curso e eis que constelou uma grande gravação. A Orquestra Sinfônica de Chicago, em turnê na Europa e acolhida pela batuta do maestro Georg Solti, o Coro da ópera de Viena e o coral de meninos de Viena trouxe a Sinfonia nº 8, a “Symphony of a Thousand” em 1971, ainda considerada como a sua melhor performance. Escolhida: Ouvimos. Inicia com: Veni creator spiritus. Divaguei. Meu lápis rabiscou palavras sem o meu pensamento racional. Transcrevo. Ser humano. Ser humano se rende ao sublime. Abraça-se em diferenças e amplia o pectus. Às vezes liderados, às vezes liderando, todos humanos. E, enquanto o rumar pode parecer opção, não o é, os instantes se sucedem e nossos referenciais externos escurecem, amanhecem, resfriam, aquecem, enquanto nossas células descamam e renascem, trocam, cedem, liberam-se da matéria, tornam-se energia liberta. Enquanto isto, outros rumam a substituir nossa matéria livre. Uma eterna transformação. Não apenas libertar-se de amarras ou escolher entre polaridades. Rumar ao sublime, sublimar, transcender. Soltar as cordas musicais. Esticá-las até que as cordas vocais se tornem a 8ª de Mahler, a Thousand, Sinfonia do mil. Palpita-se, se explode e se liberta de expectativas, aguardos e torcidas para simplesmente ser 1/1000, um em mil. Veni creator spiritus. p.s. Se você gostar de chuva... gostar de música... desfrute esta sinfonia de Mahler, a sua 8ª, a sinfonia dos mil, e verá que o nosso tempo parece finito, mas por momentos podemos infinitá-lo.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Véus do coletivo

A sensação pode ser a de estar perdido. Nascidos para um curto espaço tempo, que até pensamos não ter o nosso fim, vamos dia a dia dando conta de sobreviver. Nossos antecessores imbuíram de nos presentear com cuidado e acolhimento. Conseguiram o que conseguiram. A vida continua e com ela surgiram pedras, cascalhos, obstáculos transponíveis e outros não.. O tempo e vida seguem. Uma estrada. Caminhos Enquanto isto, muitas vezes identificados, colados e encantados, tentamos, andamos até que um novo confronto nos coloca frente a frente de nós mesmos. Isto acontece repetidamente. De repente nova nervura caminho e o convite a mudança, novas possiblidades e experiências. Chamei de véu, mas é quase uma capa, não a de ozônio que está para proteção, uma camada feita pelo próprio homem que nos impele a escolhas não reflexivas, o caminho mais florido, mais fácil, dito correto, em detrimentos de uma visão ampliada. Uma cegueira de si mesmo, copiadores de vida. Um véu que nos deixa limitados de nós mesmos. Como me libertar de amarras de maus entendidos, desvios de caminho, sistemas familiares, sistemas socioculturais antigos e vigentes, que nos fragilizam de nós mesmos? Como levitar para além desta camada e olhar para estas camadas que nos velam de nós mesmos? Como perceber o tecido do poder atuando sobre nós, nos fragilizando, ou no mínimo nos levando a contestar nossa existência e convicções internas. Como ouvir as vozes que se manifestam nos ouvidos sintomas do dia a dia da vida, e, no nosso corpo? Como levar uma vida atenta? Como isolar-se no silêncio de si e ver? Como retornar da balbúrdia e fazer escolhas conscientes? Os discursos já estão prontos e amplamente distribuídos até mesmo disfarçados de autoajuda, enquanto esta camada reluzente de um mundo brilhante dividido em carvão e diamante –um mundo exclusivo e não inclusivo- que nos inebria em direção ao diamante. E, quando a nossa mão se aproxima do diamante, sucesso, felicidade ele se afasta. E, a ilusão do encontro com o oásis decepciona, enquanto a procura e vida continuam. Para além? Como dar o próximo passo? Seria um passo parado, um acerto de passo, ou até mesmo um a direita? Como criar um espaço-tempo reflexivo? Como aprender ver - num tempo que se repete, a milênios, - em que o dourado é preferido e ao oposto escuro, pernicioso e castigante? Como manadas, seguimos aos shoppings, praias, em direção aos feriados e férias à procura do caminho da felicidade? Coloridos, adornados com os adereços que transpareçam não apenas o sucesso, a felicidade, ou sua ilusão? Como ver através desta camada de engano? Sobrevoar e reconhecê-la? Como saberei de minhas necessidades sem criar um espaço reflexivo? Em retorno ao médico-amigo relatei uma melhora, meu metrônomo ganhara 3 segundos. A vida continua. Correndo atrás do ouro, ou recolhendo carvões. A vida continua somando experiências ou perdidos no tempo. Mas, sim, existem escolhas. A psicologia analítica é simples, a vida é complexa e somos possuídos de complexos. Sim, isto é meu, recolho esta projeção. Sim, eu também. Tenho sombras. Sim, há um projeto de inteireza e não de perfeição, nasci com o direito de ser eu mesmo, direito a escolhas e transformações. A cada obstáculo, tenho uma nova oportunidade, assim como as ranhuras de pneus. Sim. Sou invadido por complexos, tenho sentimentos e emoções ditos ‘errados’ e algumas eu não quero mais, outras eu aceito, eu lido com elas. Não estou só. Há um poder organizador. Existem sonhos compensadores e sincronicidades o tempo todo. Talvez tenha pontos cegos, ou paredes inteiras cegas. Algum local sem luz? Apontado pelo meu próprio corpo, torções, ansiedades, dores, inquietações? Que vozes estão me falando frente a minha cegueira? Quem me irrita, me coça, apontando para minha própria irritação? Nada me desacomoda? Ou incomoda? Véus, cam

domingo, 18 de novembro de 2018

Redemoinhos pessoais

Ah se eu soubesse! Talvez eu saiba e não saiba que sei. Como desalinhar-me do tempo linear, desordenar o passado, presente e futuro? Como viver aqui sem pensar ali, como fazer a mandala, a roda virar sem querer estar lá, antes daqui? Como não antever o quase visível, sem me atropelar para o ainda não é aqui? Como gestar o tempo com atenção? Como respeitar os ciclos visíveis e também os invisíveis? Como render-me aos invisíveis, que já apontam seus odores e ventos? Acalente a espera. A roda da vida segue a rodar. Como girar com ela? Este círculo que me envolve e envolve a todos, como girar atenta? Volto as ‘setas’ da vida: “O essencial é invisível aos olhos, só de vê bem com o coração” mantra que simbolizou a minha relação de casamento e de vida e que teve como amigo-adversário constante à mente e às retinas. Dizem que o que a gente não vê o coração não sente. Mas: caixas se abrem. Conteúdos novos se apresentam e o coração sente e assente. A roda da vida a rodar e dia a dia com retinas saudáveis ou não, a gente pressente, e sente. Qual o leme? Há leme? Existem tempos, no presente-passado-futuro, existem tempos calmos, tempos tresloucados, tempos serenos e tempos que mais parecem fibrilações. Neste redemoinho de tempo-espaço uma alma pequena, que sente e assente, que sim, ainda existem ‘algos’ a fazer. Novos tempos. Novas emergências. Vivente e encorpada, sim ao ser e sim ao fazer. Então talvez a questão provenha desde que coloque a pressa a sestear, enquanto o como venha a ser respondido a seu tempo espaço através de sensações, falas e coceiras, apertos e plenitudes, sensações e intuições percebidas em nosso corpo. Nesta noite sonhei muito, meu inconsciente misturou muito anos e pessoas. Rejuvenesceu algumas em cinquenta anos, confrontou temas atuais com antigos, trouxe estradas, travessias e até pontes. Foi tão mais além da conta, que me colocou nesta escrita. É preciso baixar a poeira. Por quem os sinos dobram? Dobram por ti. Para quem saem às palavras? Saem parar ti. Inquietava-me conviver com meu pai e seu Alzheimer, perguntava-me por sua alma? Entristece-me conviver com minha mãe sem suas retinas e visão externa, respondi agora a mim mesma que é dela e não penetrarei em sua visão interna. Ali há sacralidade. Caminhando e pensando, sobre o passado, no presente, dei-me conta de que não conheci o sentir de meu companheiro pai, caçamos perdiz, pescamos em rio e mar, colhemos trigo, conversamos sobre esta e outras vidas, e, hoje no presente percebo que mesmo com grande intimidade, não o conheci tanto quanto imaginava e isto não me surpreende isto me indica uma ‘seta’ que aponta para seguir atenta a meu autoconhecimento, do ser e fazer. Então, há que familiarizar-me com muitos espaços interiores ainda desconhecidos. E que já me foram apresentados, via o recolhimento da mente em meu pai, e das retinas em minha mãe. Ainda aqui. Com estas duas ferramentas dentre tantas. Usando a escrita para mim e talvez, alguma palavra para um ‘sesteado amigo’ eu frequente com mais serenidade, espie lentamente alguns cantos intocados e que aconteçam teia para fazer redes internas hora no espaço tempo linear, hora no sincrônico. Agora aquieto. E que deixe rastros. Afinal, haverão passagens, transições, e que sejam no amor e com apreciação. Ah... como tenho que aprender a apreciar.

domingo, 21 de outubro de 2018

Passeios e devaneios: O instante Saúde.

Estou saindo mais. Ando andando e cantando. Virei uma tagarela. Um pouco é meu, mas a maior parte provém do Cosmo. A cada dia ele me coloca como que circulando em mandala. Tenho desviado leve e fácil de meu centro, como em dança. E, logo retorno ao centro mais colorida, repleta de belas joias misturadas em mim. Em poucas horas, entre ruas, corredores e papelarias locais, acontecem múltiplos encontros, um atrás do outro. Muitos presentes, encontros coloridos de imagens, ideias e coloridos de amor. Tenho sido agraciada. Pedaços de horas têm se tornado dias. Alguns, destes se aprofundam, caem na caixinha das intimidades e se tornam segredos. Tesouros escondidos. Mas, outros não. Um amado amigo me disse: Agora todos os meses se tornaram cores. Sim, e eu estava à procura de cores para uns slides, indecisa, pois havia algo em mim que me desacomodava. Eu refletia sobre “O”, a cor de rosa. Comecei a passear pela paleta de cores. Gosto desta cor. Fiz um colar de pérolas rosas, composto de artigos e aprendizados em minhas sessões de análise e formação analítica. Usei muito o rosa, amorizei com ele. Mas amo o azul, desde o manto do manto protetor de Nossa Senhora, ao azul noite e também azul blue, aquele que toca Jazz, e nos leva a nostalgia. São infindáveis os azuis, podem parecer verdes e outras vezes se tornam violetas, como os olhos de Liz Taylor. A cor da rosa, enquanto rosa pode ser amarela, vermelha e ainda o perfume nos deixa inebriados na tentativa ao escolhê-las. E tem também o cravo. Múltiplas relativizações. São muitos os podem. Mas meu amado amigo, me recordou dizendo que agora quase todos os meses têm cor. Então viajei para dentro e meu espaço imaginal e este foi se ampliando. Meses de janeiro a dezembro são doze e cores não têm nem ideia de quantas, talvez infinitas como as estrelas. Diz-se que os deuses se tornaram doenças, então entro em meu divagar. E, divagando solto, devagar pétalas perfumadas e imaginais a repousar no solo da vida. Bastarão doze meses ou criaremos quinzenas para alertas e prevenção? Seria ousadia pensar, não sem antes modificar um pouco o tema - afinal somos seres em expansão de consciência, que: se as doenças estão aumentando a ponto de terem um mês destinado a clamar pela atenção da população mundial, o que faz com que não nos atentemos para criarmos o “Instante Saúde”? Seria uma utopia, eu, tu, nós, indivíduos um a um acordarmos nosso instinto de preservação da espécie? Em singularidade e em coletivo? Com cores, odores acordarmos nossos sentidos? Estaria eu em conversa com John Lennon em seu Imagine? Olhando um pouco mais profundo: O que emerge destes meses de “prevenção”? Qual a força que impulsiona estes meses em cores? Este clamor preventivo. Estaria apontando o dedo para nossa desatenção? Singular ou coletiva? Este dar-se conta, este chamado a desatenção, pode ser acolhido? Por que não? A luz colorida por um wake up, à saúde! Escrevo este acordar em inglês, pois ter ciência de que se trata de um acordar planetário e não apenas nacional. Acredito que o movimento pró-saúde já começou. Insipiente. Em potencial. Em semente. E a rega terá que ser diária e individual. É possível. Os frutos talvez nem sejam mais colhidos por nós mesmos e sim por outros: humanos, conhecidos e desconhecidos. Novos campos, árvores solitárias ou em florestas, córregos, lagos, rios, lagos. Oxigênio em poesia. Puro e profundo. Não vejo o tema saúde com tamanha simplicidade. Romantismo. Estamos para além de Pollyanna do livro de Eleonor G. Porter, mas acredito que a cada geração emergem novos acessos às necessidades planetárias, via literatura, música, pintura, cores, deuses e doenças. Nossos olhos podem ver. Nossos ouvidos ouvir. Nosso olfato ser aguçado. Todos podem fazer escolhas e estas podem ser suas novas escolhas. Instantes reflexivos. Instante Saúde. Escolher. Entre rosa e azul anil, ou verde e amarelo, entre dizer sim, dizer não, dizer hoje não ou ainda não. Ah. Ah, agora eu sei. Só agora, eu sei. Estava distraído de mim, de ti, do outro. Comi plástico, resíduos de panelas, bebi águas gostosas, mas ali não havia mais a fruta. Sigo mal alimentada e ainda irradiada. Abuso de minhas células diariamente. Abuso de meus ouvidos e de meus olhos. E também do dos outros. Crio ‘formas pensamento’, algumas que eu não ousaria nem mesmo sussurrar. Negar a minha sombra é impossível, o sol está acima a me mostrar. Há em todos nós. Apegar-se a ela? Aonde nos levaria? Isto me leva a pensar sobre a saúde de uma forma um pouco mais humilde e responsável. Eu me adoeço. Diariamente. Eu posso escolher inicialmente um pouco e depois um pouco mais, este crescente está condicionado, a meu aumento de consciência. E como disse Carl G. Jung: “Minha vida é a história de um inconsciente que se realizou. Tudo o que nele repousa aspira a tornar-se acontecimento, e a personalidade, por seu lado, quer evoluir a partir de suas condições inconscientes e experimentar-se na totalidade”.

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Um momento de gratitude

Estive ali. Sentei ao sol e escrevi. Poltrona, lápis, sol e eu. O quê? Apenas transcreverei, usando palavras ouvidas que ressonavam em mim nesta manhã. Bom dia Seguindo... Descansando nas células. Acolhendo os pensamentos no meu colo. São novos tempos. Percebermos como iguais. São novos tempos, nada a fazer e sim perceber. Descansando nas células, com pensamentos acolhidos no meu colo, vem a reconciliação. A mulher que sou, acolhe a energia mais sutil a vibrar em si. Sem a luta. Em sobrevivência passa para um novo espaço a reconciliação. Com gratidão reconhece que nesta história, destino, as pérolas e riquezas aguardavam para receber a vibração espiritual. Palavras? Sim ou não. Gratidão, com reverência, com o queixo no peito. Amém.